#
Artigos
Dicas
Dicas

Qualidade


Texto publicado na revista Recicla Mais, ano 13 nº 154 de Outubro de 2014

 

Repetindo o início do meu último artigo: Já ouvi de alguns a seguinte pergunta: Quando devo me preocupar com a qualidade?

Por mais óbvia que seja a resposta, já ouvi toda a sorte de absurdos em relação ao momento de se começar a se preocupar com a qualidade.

Em um dos meus últimos treinamentos que realizei com funcionários de uma empresa, um dos donos acrescentou no final as seguintes palavras: “O que o Palmer falou foi sobre a qualidade do nosso produto final, mas o mais importante é que a qualidade esteja presente em todos os momentos de nossas vidas”.

Pois é. De nada adianta querer qualidade em certos momentos e deixá-la de lado em outros. Quando fazemos isso, o resultado é que não conseguimos ter qualidade hora nenhuma. A qualidade nesse caso será um mero acaso e não uma certeza.

Se você não tem qualidade na sua vida, como ter no seu trabalho?

Se você não tem um tempo para você mesmo e para sua família, como conciliar sua vida pessoal com a sua vida profissional?

Qualidade de vida é imprescindível para aqueles que querem qualidade em tudo o que venham a fazer, independentemente de onde esteja.

Existem várias formas de se quantificar ou qualificar a ideia de qualidade. Vamos nos ater a algumas, pois falar sobre todas geraria muitas páginas.

Qualidade não é um item de fácil implementação e nem é barato de se ter.

Custa caro ter qualidade. Dá trabalho ter qualidade. E mais ainda. É difícil mudar mentalidades em relação às alterações necessárias para se ter e manter a qualidade.

 E essa dificuldade, talvez, seja o maior empecilho para a implantação de uma política de qualidade nas empresas.


Já vi muitas vezes donos e/ou gerentes exigirem qualidade nos produtos e de seus funcionários, mas não se preocupando com a qualidade dos insumos adquiridos, do espaço físico existente na área de trabalho e na capacidade de produção dos equipamentos.

Comprar os insumos mais baratos do mercado e exigir qualidade nos seus produtos e de seus funcionários é um dos maiores erros que uma empresa pode cometer.

Insumos mais baratos, geralmente, tornam impossível ter produtos de qualidade.

Querer reaproveitar insumos, por economia, é outro erro que muitas empresas cometem e que quase sempre leva a produtos de qualidade duvidosa.

Querer colocar 10 pessoas numa sala de “produção” minúscula e exigir qualidade nos produtos é algo mais comum do que muitos pensam e exigir qualidade nesse caso é totalmente insano.

Qualidade é algo que deve estar no intimo dos responsáveis pela empresa e somente assim pode-se tentar repassar essa responsabilidade para os demais funcionários.

Querer qualidade nos produtos de sua empresa e aceitar coisas de qualidade duvidosa na sua vida fora da empresa é comum e pode dificultar ou mesmo impedir que a “qualidade” desejada seja alcançada.

Para mim não faz sentido exigir qualidade de seus funcionários e, na sua vida privada, comprar produtos piratas e/ou falsificados. Ou aceitar comprar produtos de qualidade inferior apenas porque são baratos.

Meu hobby é fotografia e eu me recuso a comprar qualquer coisa pirateada por não querer que minhas fotos sejam, também, pirateadas.

DVD pirata é mais barato? Com certeza sim. Tem a mesma qualidade do DVD original? Com certeza não.

Eu, por lidar com controle de qualidade desde 1984, me recuso a aceitar produtos de qualidade inferior. Se eu estou pagando, exijo que o produto que estou adquirindo seja o de melhor qualidade possível.

Isso me torna alguém muito chato na hora de comprar alguma coisa, porque fico procurando defeitos em tudo o que pretendo adquirir, ou alguém muito exigente na hora de adquirir alguma coisa ou na hora de julgar se alguma coisa possui qualidade ou não.

Acabo pagando mais caro no que compro? Com certeza. Mas sei que o que comprei vai durar muito tempo e não se estragar em pouquíssimo tempo e me forçar a comprar o mesmo produto novamente.

Querer qualidade nos seus produtos e exigir qualidade de seus funcionários implica em ter ou querer qualidade em todos os momentos de sua vida.

Mas repassar isso para seus funcionários nem sempre é simples, porém se você for sempre o exemplo, fica muito mais fácil de convencê-los a ter qualidade nas suas vidas também.

Como fazer isso? Podemos começar com uma tentativa de diminuir os erros cometidos durante a produção e com um trabalho permanente de convencimento de que a qualidade interna está intimamente ligada à qualidade externa.

Pode-se começar com incentivos àqueles que menos erram, ou para àqueles com o menor número de produtos recusados pelo controle de qualidade interno, mas isso exige que sistemas de controle sejam implantados. Aliás, sistemas de controle são um dos primeiros passos para a obtenção de produtos de qualidade. Se você consegue controlar as etapas de produção, os estoques e a quantidade de produtos que estão ou não passando no controle interno fica muito mais fácil a obtenção de produtos de qualidade.

Um sistema de controle adequado permite identificar os funcionários com o maior número de erros e providenciar um treinamento específico para a sua correção.

Conhecer bem os seus funcionários também ajuda na obtenção de produtos de qualidade. Todos gostam de ser bem tratados ou serem alvos, de vez em quando, de um agrado, como por exemplo, uma lembrança pelo seu aniversário, ou de serem reconhecidos pelo bom trabalho realizado. Um bom incentivo a um funcionário que tenha se destacado, aumenta a vontade de outros, também, de querer o mesmo tratamento.  Cabe a você controlar essa vontade e impedir que uma produção seja “aumentada” exageradamente, mas com queda na qualidade.

Conhecer seus funcionários também permite identificar possíveis problemas que estejam acontecendo com eles e que podem vir a prejudicar sua atuação.

Reconhecer essa situação e tentar solucioná-la o mais rápido possível pode ajudar na qualidade de vida dele e evitar problemas durante a produção. Isto ainda vai fazer de você um chefe/gerente/dono admirado, pois uma preocupação deste nível não é muito comum de ser encontrada no mercado.

A qualidade é o objetivo final a ser alcançado e nada deve distanciar seus funcionários disso.

Isso é simples de se fazer? Claro que não. Por isso existem poucas empresas no mercado reconhecidas pela sua qualidade.

Novamente, me coloco a disposição para aqueles que estejam interessados em melhorar a qualidade de seus produtos e de seus processos de produção, bem como melhorar o nível de treinamento de seus funcionários.


 

Roberto Palmer
EQual Consultoria em Qualidade – Brasília-DF

Copyright © 2010-2015 - Equal Consultoria em Qualidade - Todos os direitos reservados